FNE no Ministério da Educação: ‘A solução apresentada é inaceitável’

A comitiva da Federação Nacional da Educação (FNE) constituída pelo Secretário-Geral João Dias da Silva, Jorge Santos, Presidente da Federação Nacional da Educação, Lucinda Manuel Dâmaso, Vice Secretária-Geral e pelos Secretários Nacionais Josefa Lopes, Maria José Rangel e José Eduardo Gaspar foi recebida para reunião no Ministério da Educação pelas Secretárias de Estado Adjunta e da Educação e da Administração e do Emprego Público.

A FNE voltou nesta reunião a reforçar a necessidade premente de que a totalidade do tempo de serviço que esteve congelado dos educadores e professores portugueses seja considerado no reposicionamento destes na sua carreira.

Segundo João Dias da Silva ‘é fundamental que os Ministérios da Educação e Finanças entendam que este direito não pode ser negado pois o que acontece é um desrespreito pelo tempo dedicado pelos professores nos últimos 10 anos à profissão’. A FNE assume que há da parte do Governo ‘disponibilidade para negociar aquilo que pode ser o faseamento do impacto da contagem deste tempo’. Mas não foi possível alcançar um acordo quanto ao tempo que deve ser contabilizado para este efeito pois para os Ministérios da Educação e Finanças só a última etapa de congelamento deverá ser considerada, quando para a FNE ‘todas as etapas de congelamento desde 2005 até agora têm de ser contabilizadas no reposicionamento das pessoas na carreira’.

A FNE sublinhou na reunião que ‘o direito que os educadores e professores têm é de serem reposicionados no dia 1 de janeiro de 2018 no ponto de carreira a que teriam direito se não tivesse havido congelamento’, mas esta não é a disposição do Governo sobre a questão. O que o Governo quer é que os professores comecem a descongelar a partir de 1 de janeiro de 2018 no ponto em que estão, esquecendo todo o tempo para trás que esteve congelado e depois sim, negociar um possível faseamento. Para a FNE esta é ‘uma solução inaceitável’ e por isso a importância da adesão da greve e concentração de amanhã é enorme e é necessária uma grande participação de educadores e professores. É preciso dizer ao Governo que os professores merecem respeito e que todo o tempo de serviço tem de ser contabilizado para progressão.

Dia 16 a FNE estará no Ministério da Educação para nova reunião onde vai defender até ao fim o respeito, justiça e consideração pelo trabalho realizado pelos professores durante o tempo do congelamento.

© 2017 SDPSUL. Sede: Rua Lídia Cutileiro, 23- 1º e 2º dts. Villa da Cartuxa - 7002-502 Évora - tm: 969195512 - tel:266749660 - fax:266749668 mail:evora@sdpsul.com.
Gestor do Site- contacto mail: evora@sdpsul.com