Educadores e Professores de todo o País em concentração em frente à Assembleia da República

Educadores e Professores de todo o País estiveram reunidos, sexta-feira, 2 de novembro, em concentração e Plenário Nacional em frente à Assembleia da República, ao mesmo tempo em que era discutido o Orçamento de Estado para 2019, com a presença do Ministro da Educação.

Os professores portugueses quiseram contestar desta forma uma proposta de Orçamento do Estado que não corresponde à exigência de uma escola de qualidade, com a atribuição dos recursos essenciais para a permitirem.

A FNE reitera que é essencial prestigiar a escola, valorizando os seus profissionais. É preciso apostar em alterações significativas neste Orçamento (2019) e alterar as políticas educativas, de forma a que aos seus profissionais sejam asseguradas condições de dignidade.

Os docentes portugueses quiseram fazer chegar ao Governo o seu profundo descontentamento por esta situação, mas há mais matérias cuja resolução tem sido adiada ao longo dos últimos tempos, como a necessidade de um combate ao acelerado  envelhecimento  da  profissão  docente  (o  segundo corpo docente mais velho da União Europeia), a precariedade que atinge os professores e que sejam recuperados os 9 anos, 4 meses e 2 dias em que a careira dos professores esteve congelada.

Foi ainda reforçado neste Plenário que a greve em curso aos excessos que estão a ser exigidos em termos de horário de trabalho dos Docentes vai durar o tempo que for necessário e que não prescindimos dos combates que forem indispensáveis para garantir o respeito e a valorização dos profissionais que representamos. Nós não desistimos.

No final do Plenário foi apresentada e aprovada por unanimidade uma Moção onde é exigido que, em sede de especialidade, o orçamento para a Educação seja corrigido pela apresentação e aprovação de propostas que criem condições para, entre outros aspetos:

- Garantir como é devido, em 2019, o início do faseamento da recuperação para a carreira dos 9 anos, 4 meses e 2 dias que estiveram congelados;

- Regularizar os horários de trabalho dos docentes

- Permitir que os professores com, pelo menos 40 anos de serviço possam aposentar-se sem qualquer penalização, independentemente da sua idade, permitindo assim o rejuvenescimento da profissão docente;

- Combater a precariedade que afeta milhares de professores.

© 2018 SDPSUL. Sede: Rua Lídia Cutileiro, 23- 1º e 2º dts. Villa da Cartuxa - 7002-502 Évora - tm: 969195512 - tel:266749660 - fax:266749668 mail:evora@sdpsul.com.
Gestor do Site- contacto mail: evora@sdpsul.com